O Sonhador

1

 

O sonhador espreita o tempo

como se nem vivo fosse.

O sonhador pensa

em outras dimensões

O sonhador pensa Elefante.

 

É quem vê o céu

e conhece as estrelas

já até pisou nelas,

o sonhador.

 

Num lugar distante, onde há paz

sem nenhuma vida humana,

somente espécies vegetais

dividem o mel com o sonhador.

 

Quem precisa de abelhas?

 

O sonhador foi quem inventou as abelhas.

E essa mania delas picarem,

e a nossa mania

de passar álcool

nas picadas das abelhas

O sonhador inventou tudo.

 

Então hoje, agora?

Por que estão processando o sonhador

naquela prensa de quatrocentos e cinquenta toneladas?

 

2

 

Um dia, cansado das perseguições

das manias de perseguição,

o sonhador se viu seguro e sozinho

no banheiro, armado e trancado.

 

Tudo que o sonhador precisava

ele teve a tez de pôr ali.

O banheiro fornecido

da matéria da cozinha

do quarto e da sala.

Cama mesa e banho

tudo no banheiro.

 

E passou ali o resto dos seus dias

sonhando

como um sonhador num banheiro.

 

3

 

 

O sonhador quase foi atropelado

por um carrinho de supermercado

na esquina dos biscoitos

ele foi surpreendido

por um grande carrinho embalado

por outro sonhador extasiado

o próprio piloto encarnado

num romano coliseu lotado.

 

4

 

O sonhador teve um sono longo

onde sonhou um grande amor

infinito como espírito,

doce como o mel.

Um amor só possível num sonho.

 

Quando acordou logo viu a casa desarrumada

o vizinho sem resistência no olhar

ou um carinho que pudesse mostrar

a passagem daquele fabuloso amor.

 

Pudesse o sonho próprio supor

que amor de sonho é invisível

e não se dá às vistas.

Amor de sonho é o secreto

e por isso ninguém o viu.

 

O policial carrancudo

a empregada cansada

o professor humilhado

o mendigo caído

As velozes carruagens modernas

os ônibus de trabalho lotados

as paraninfas da natureza

ninguém notou o amor sonhado

próprio da intimidade.

 

No entanto, depois de muito vagar

o sonho de amor

se viu visível, de tão falado.

 

Tanto procurou o sonhador

pelo seu sonho de amor

que o fez materializado

em um programa de auditório

numa polêmica briga pós casório

na novela, no cinema, no teatro

o amor ilusório ganhou o corpo jovem da atriz

de pele sedosa, loira loira de olhos claros

e o corpo do ator galã

gênio marombeiro sarado

os músculos delimitados, o olhar caído

apaixonados atores e atrizes

só faziam o papel do amor sonhado,

e assim todo o povo o reconhecia na rua,

quando o sonhador descia os becos e vielas

da sua casa favela, era parado pelos populares

Você está apaixonado, eu vejo no seu ar calado!

 

E negando o afirmado,

sabendo ser o criador do amor sonhado

o sonhador deixou de amar.

Se o amor não é mais sonho,

não precisa ser lembrado

menos ainda cultivado

Se o amor está incorporado

Não faz mais sentido sonhá-lo!

E foi o pensador à outra cama,

ter novos sonhos

ainda não assimilados

pela massa zelosa de amor sonhado.

 

 

5

 

O sonhador sonhou uma casa

grande o bastante pra caberem nela

seus doze sonhos diários.

 

Ergueu densas paredes de ideias

o chão feito com o coração,

ladrilhado com pedaços fartos da cor vermelha.

 

Colocou energia e alguma luz

com seu pouco conhecimento retirado

das apostilas de eletrônica.

O interruptor era seu cérebro

imenso refil de energia instalado.

 

Na entrada colocou flores de ouro

peças de luxuosa qualidade

confeccionadas por artistas mortos.

 

Em cada cômodo a mobília era só a necessária:

No banheiro uma lixeira

uma mesa na cozinha

um cachorro no quarto.

 

E os sonhos diários

os doze sonhos dia a dia acumulados

foram morando na casa

entre o cachorro, a lixeira e a mesa

foi ficando apertado.

 

Anos passaram e a casa ficou pequena

pra tantos sonhos criados

a família separou-se

foi cada um pra um lado

Sonhos separados

foram morar de favor e de aluguel

o bairro ficou povoado de sonhos desabrigados.

 

A prefeitura veio,

problema da prefeitura,

ela que resolva.

Com pouco tato

chamou a polícia

prendeu os sonhos

eram desocupados.

A solução foi levar

sonho por sonho

para um abatedouro

solução definitiva para os sonhos desabrigados

assim como faziam com os humanos

os prefeitos, policiais, autoridades,

um a um abateram os sonhos,

mas não sem antes documentá-los,

filmá-los,

tratá-los e vesti-los,

pois os sonhos,

quando documentados,

filmados,

tratados e vestidos,

aceitam morrer calados.

 

 

Uma resposta para “O Sonhador”

  1. Beatriz Medina Says:

    Putz.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: