Pequeno

É inevitável, que se tanto se fez

que se tanto se deu

Ó, Senhor, o coitado

 

Você mesmo

você que, de tão tolo, se percebe

como se um Deus fosse.

 

É inevitável que sofras,

e que lamentes a morte

daqueles que são

os seus pobres amigos

 

Que a vida se faça,

matando as verminoses alegrias.

 

Que a vida se faça do jeito dela,

A obrigar você, tão potente e generoso

a abandonar suas esperanças.

 

Ilusões, as esperanças

comem as folhas do futuro,

presenteando-as.

 

É inevitável a morte

que evita a vida,

mas dela se faz.

 

Ponte, amor ao fim

Poste, enfim lumiar

Porto, você chegar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: