A Dor Quimera

Não sou do amor a espera.
Meu perdão, a dor quimera
que busca insensata
no lusco fusco paixão
o que alija
o relógio do tempo

Sorrir em plena primavera
Que busca inacabada é esta
que me desprega os botões?
Que corte, que formas, que bela
é o alvo de meus canhões
doce floresta calma
balança carinhosa as folhas
em ventos secos

Ecos do seu verdor voejam
e pairam no ar
sibilas borboletas
joaninhas e abelhas.

Surge num instante
e some quando acaba.
Este fogo, Prometeu
esta brasa não consola,
mas liga o motor da natureza
esta forma não te apraz,
mas é assim que acontece
com os jovens e os velhos.

Só os apaixonados podem ver
que há beleza,
que os outros estão cegos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: