NO ROMANTISMO, O CHORO, A CONVULSÃO

Dormi, no caminho passei do ponto

Uma lágrima para cada morto

a nossa aldeia chora.

 

O governo, que dor! É ele o carrasco.

Belo Monte é o progresso.

E são tantas lágrimas

que no tempo não cabe

uma lágrima para cada morto

— Por quinhentos anos chorar

— cento e vinte dores por minuto

— vivendo e chorando os anos

— e a conta não vai fechar.

 

Quem vier depois que chore

que resgate a minha dor

Nem que o mundo todo

tolo chorasse

ainda assim não se teria

uma lágrima para cada morto.

2 Respostas para “NO ROMANTISMO, O CHORO, A CONVULSÃO”

  1. Textos partes partidos sonhos revoltas carinhos previsões sangues danças palavras forças músicas mecânicas doces vírus falências e rotinas. Você vive até o caroço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: